Crowdfunding

Campanha Crowdfunding - Monchique, com futuro

É com água que se apaga o fogo

O grande incêndio de Monchique em 2018 só foi extinto com água das barragens circundantes após oito dias. Combateram-no bombeiros e meios aéreos. Mas houve poucos habitantes que estavam preparados para combater incêndios. Há várias razões para que tenham ardido 28 000 hectares de terras e floresta e 71 habitações. Estudos exaustivos feitos durante um ano após o fogo florestal demonstraram que uma das principais razões é a falta de cisternas e depósitos de água, já que faltam depósitos mais distribuídos pela região para o combate a incêndios. Aqueles proprietários que tinham mantido os seus terrenos limpos e tinham cisternas com água da chuva puderam provar, que assim é possível proteger as suas casas. É com água que se apaga o fogo.

O nome do projeto de crowdfunding é Monchique, com Futuro. É um projeto que ajuda as pessoas e ajudarem-se a si próprias. A associação Monchique Alerta – Serra livre de Incêndios foi fundada por habitantes afectados pelos incêndios. Pretendemos apoiar quatro das vítimas na construção de cisternas, para que de futuro possam proteger melhor a sua floresta, a sua agricultura e a sua casa. Cada uma das cisternas irá armazenar 50 000 litros de água. Serão implantadas no local mais alto dos seus terrenos para a água correr por gravidade. Nuno Carvalho, William Abrantes, Ana Nunes e Carlos Abafa e Jelly Boomsma candidataram-se e serão apoiados por este projeto de crowdfunding. É o início de um movimento de solidariedade a nível local, numa região que irá sentir o impacto das alterações climáticas. De futuro irá haver menos chuva e em intervalos menos regulares, e também ondas de seca extrema. A seca irá condicionar a vida no sul. A resposta é: armazenar água. A água que é o elixir para a vida natural, para os animais e para o ser humano. E é com água que se apaga o fogo.

4 histórias no fogo

William Wroblewski Abrantes, 35 anos, é músico, casado, e desde outubro de 2019, pai de uma filha. Chama-se Inês. Voltou de França para a terra dos seus ancestrais. Comprou em 2018 um terreno de 5.000 m2 no Sítio do Cano, em Monchique, para se instalar como agricultor biológico. Começou a limpar o terreno, que estava abandonado há 13 anos. Dez dias depois da escritura o seu terreno ardeu no incêndio de 5 de agosto de 2018 – árvores de fruta, mas também bens como ferramentas, o reboque, material de gravação de música, discos duros e os trabalhos criativos de toda a sua vida…

William escreveu a Monchique Alerta no dia 26 de setembro: “devido ao incêndio, temos muitas dificuldades financeiras para continuar a instalação do nosso projeto em Monchique. Temos acesso a duas nascentes, que ficam no local mais alto do nosso terreno. A ligeira inclinação e outras condições permitem a possibilidade de regar o solo graças à gravidade. Precisamos de construir um tanque para reservar água, também para o caso de virem futuros incêndios…”.

William W. Abrantes e familia
01_nunocarvalho

Nuno da Silva Carvalho, 42 anos, osteopata, professor, vive no Balsa Ameiro, Cabeça de Ferro, em Monchique-Alferce. Perdeu a sua habitação, a floresta autóctone, dois armazéns agrícolas, ferramentas, máquinas, uma casa em madeira, sistemas de rega e depósitos, cortiça, … entre outros.

Nuno escreveu à Monchique Alerta no dia no dia 2 de setembro: “necessitamos de ajuda financeira para construir uma cisterna de água e um sistema anti-incêndio com aspersores…”.

Ana Rosário Nunes, 67 anos, e Carlos Alberto Abafa, 74 anos, professores reformados na área das Artes Plásticas, vivem na vila de Monchique. Têm uma floresta de sete hectares com espécies de sobreiro, medronheiro e castanheiro. Ardeu. A propriedade afetada localiza-se na freguesia de Monchique, junto à vila (a Norte), no cerro conhecido como Cerro do Toiro, Quinta do Bem Parece.

Ana escreveu à Monchique Alerta no dia 10 de setembro: “sempre nos sentimos como cuidadores temporários de um espaço, neste caso, de uma pequena porção de floresta que nos foi entregue por outra geração e de que devemos cuidar de forma responsável, para a passarmos à próxima. Não é nosso objetivo o lucro, mas preocupamo-nos com a auto-sustentabilidade do espaço que cuidamos, porque acreditamos que essa é a melhor defesa desta pequena floresta que queremos preservar. Mas, como em todos os acordos, neste caso de pós-incêndio, é preciso cuidar do espaço, cuidar das árvores sobreviventes, criar espaço para estimular a regeneração natural e dar oportunidade de espaço e luz para que os sobreiros-bebé que já surgem no terreno possam crescer. Alguns novos terão mesmo de ser plantados e precisam da rega.

Ana Nunes e Carlos Abafa
Jelly e Joop Boomsma

Jelly (58) e Joop Boomsma (68), casal holandês e residente em Portugal, compraram em 1992 uma ruína na área de Arqueta, no sul da Nave, Monchique. Em cada ano, durante vários invernos, reconstruiram uma parte da sua casa até conseguiram inaugurar a nova habitação. Conseguiram reformar mais cedo devido uma grave doença que, entretanto, conseguiram curar. Na noite de 6 de agosto foram forçados pela GNR a sair da sua casa e abandonaram o sítio. Apesar de não existir material combustível à volta da sua casa , o edifício ardeu. Haviam limpo tudo, conforme a lei. Este foi um dos melhores exemplos de que não se deve, simplesmente, evcuar todos os proprietários. Folhas de eucalipto, queimando e voando, incendiaram a base do telhado da casa durante a sua ausência. Em 2020 vão começar de novo a reconstruir uma ruína, sem apoio, e com um empréstimo.

Jelly ecreveu à Monchique Alerta no dia 11 de junho: “não haviam bombeiros e a nossa casa ardeu completamente. Podíamos ter apagado o fogo com água.”

Orçamento

Cada das quatro cisternas fechadas tem uma dimensão de quatro metros de comprimento e quatro metros de largura e uma altura de 3,20 metros. Pode armazenar 51,2 m3 de água e tem uma entrada através de uma tampa de 60×60 cm. A sua fundação é feita de betão armado de 60 cm de espessura. Suas paredes são de 30 cm de espessura e rebocadas com Weber-K-Dry. Na saída exterior tem uma válvula de fechadura forte de 2 polegadas em inox. Cada cisterna custa 4.800 euros e tem um prazo de construção de 14 dias úteis. O marketing da campanha de crowdfunding durante os 60 dias está estimada com 5% do valor, ou seja, com 960 euros mais a impressão de 2.000 folhetos. O valor subtotal é 20.339 euros + a comissão da plataforma ppl 7,5% + IVA é um total de 22.215 euros. As quatro cisternas serão construídas entre janeiro e junho de 2020 com empreiteiros da região.

Pode descarregar o desenho da cisterna aqui: Desenho Cisterna

Crowdfunding Campaign Rewards

Pode participar nesta campanha com contribuições desde:

1. €10 = Assinatura online ECO123 por um ano;
 
2. €25 = Oficina de Artes Tradicionais (3 horas de duração): “Como fazer uma chávena? (workshop de latoeiro), “Como fazer queijo de cabra?” (oficina de queijaria) e “Como fazer pão?” (oficina de padaria) entre outras oficinas que visam revitalizar os ofícios tradicionais do Algarve; 
 
3. €50 = Jantar ou almoço na casa de um (a) sócio/sócia da associação para dois; ou um passeio temático para duas pessoas a 27, 28 ou 29 de Dezembro; ou participação na monquique-mountain-marathon.org a 30 de Dezembro para uma pessoa; ou um desenho de um “urban sketcher” de Monchique; ou um dia de extracção de eucalipto seguido de um piquenique na natureza; 
 
4. €100 = Fim semana “Boa Surpresa” em Monchique: uma noite para dois na casa de um (a) sócio/sócia com pequeno-almoço. Isto também pode ser combinado para uma noite durante a semana;  
 
5. €250 = Boa Surpresa de fim-de-semana em Monchique: duas noites para duas pessoas na casa de um (a) sócio/sócia com pequeno-almoço. Isto também pode ser organizado para duas noites durante a semana; + um passeio temático (cogumelos) para duas pessoas a 27 ou 28 ou 29 de Dezembro; + um Workshop de Artes tradicional; mais uma assinatura ECO123 online durante um ano;
 
6. €500 = Formação ECO para empresas ou organizações em grupos de até dez pessoas no novo Jardim Botânico das Caldas de Monchique (4 horas de duração), ou um anúncio de 1/2 página no suplemento de campanha da revista ECO123, Primavera 2020.
 

A campanha começa a 10 de Outubro. Agradecemos suas contribuições até o dia 9 de dezembro. Obrigado.

Segue e participe na campanha Crowdfunding em:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *